Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

TECNOLOGIA REDUZ O USO DE FIBRAS SINTÉTICAS NA PRODUÇÃO DE TELHAS DE FIBROCIMENTO

Pesquisa desenvolvida pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) apresenta uma alternativa para o processo de produção de telhas de fibrocimento. A proposta da tese de doutorado defendida por Cleber Marcos Ribeiro Dias é reduzir o uso de fibras sintéticas – que já são utilizadas como alternativa ao amianto – na composição do fibrocimento.

Pelo estudo, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a quantidade de fibras sintéticas no fibrocimento pode ser diminuída sem que o material sofra alterações em seu desempenho. “Focamos em desenvolver uma forma de otimizar o emprego das fibras, reduzindo o teor deste material nos produtos de fibrocimento sem alterar o desempenho. Obtivemos o conhecimento de que a natureza já faz isso. Alguns organismos naturais são otimizados dessa forma, o que fizemos foi imitar o que a natureza já faz”, explica Dias.

No desenvolvimento do estudo foram testadas as tensões que uma telhas de fibrocimento sofria com o tempo – como, por exemplo, a ação do vento – chegando à conclusão de que elas “não eram uniformes, ou seja, não as atingiam de maneira igual”. Após este processo, a homogeneidade das fibras do produto foi questionada. E, assim, foi possível construir uma “tecnologia capaz de produzir fibrocimentos com gradação funcional”, explica o pesquisador.

O próximo passo do estudo foi produzir em escala laboratorial os fibrocimentos que possuem a resistência adequada de acordo com as suas necessidades. Nesta fase do estudo, o pesquisador concluiu que é possível produzi-los com baixos teores de fibras e desempenho melhorado, o que levou a um pedido de patente.

Para Dias, “os fibrocimentos com gradação funcional podem apresentar diferentes teores de fibras e de cimento em distintas partes do produto, e isso pode ser feito para qualquer matéria-prima da composição”. Após alguns testes, foi comprovado que esse tipo de telhas pode ser produzido em escala industrial de maneira relativamente simples.

Vale lembrar que, por ter um alto valor no mercado, as fibras sintéticas encarecem o preço final da telha.

A tese faz parte do projeto Cimento-Celulose, elaborado pelos professores Holmer Savastano e Vanderley John da POLI-USP. O estudo ganhou Menção Honrosa no Prêmio Tese Destaque USP 2013.

 

FONTE: Do Portal Piniweb

Inscrições gratuitas abertas: participe do curso REVIT BIM 2023 – GLP do Crea Qualificando de junho

O Crea Qualificando de junho está repleto de conteúdos que vão enriquecer seus conhecimentos. Desta vez, o curso oferecido de…

Participe da Semana da Acessibilidade do Clube de Engenharia do Maranhão

Participe da Semana da Acessibilidade do Clube de Engenharia do Maranhão! 🗓️ Datas: 25 a 28 de junho de 2024…

Abril Verde 2024: campanha pela Vida e Segurança no Trabalho

O mês de abril é marcado pelo movimento Abril Verde, uma iniciativa que busca promover a conscientização sobre a importância…

Grupo de Trabalho (GT) realiza reunião com Serviço Móvel Pessoal (SMP) do CREA-MA para debates da implantação da tecnologia 5G no Brasil

Após a aprovação da prorrogação do Grupo de Trabalho Serviço Móvel Pessoal (SMP) até outubro deste ano, decidida na 2ª…
Pular para o conteúdo