Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA EM EXPANSÃO

A capacidade industrial brasileira no segmento naval tem sido ampliada nos últimos anos especialmente em função das descobertas de reservas de petróleo e gás em alto-mar. Segundo dados do Anuário Estatístico Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 2012, publicado no fim de julho pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), as reservas de óleo tiveram aumento de 5,6%, chegando a 15 bilhões de barris, de 2010 para o ano passado. Com isso, o Brasil subiu da 15ª para a 14ª posição mundial. No mesmo período, as reservas de gás natural cresceram 8,6%, para 459,4 bilhões de m³, elevando o país à 31ª colocação no ranking.
Esse cenário crescente de exploração de águas profundas impulsiona a construção de plataformas de petróleo, navios, embarcações de apoio e equipamentos, o que demanda mão de obra especializada. De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), o número de postos de trabalho no segmento de estaleiros mais que triplicou nos últimos seis anos e atualmente o setor emprega 62 mil profissionais, sendo 5% engenheiros navais, mecânicos, elétricos, de produção e de segurança. Apenas o estado do Rio de Janeiro gera aproximadamente 30 mil empregos, ficando o Amazonas em segundo lugar, com 13 mil postos. Nas estimativas do Sinaval, outras 21,5 mil vagas para engenheiros, técnicos e operários serão abertas até 2015 com a implantação de dez novos estaleiros no Brasil.
Os números mostram, portanto, que a desaceleração da economia ainda não atingiu o mercado de construção naval local. E essa vantagem se deve à garantia de recursos de financiamento tornando possível o andamento de 385 obras – entre navios-sonda e petroleiros, além de plataformas de produção – que irão atender encomendas do segmento offshore. Desse total, 236 construções estão sendo desenvolvidas na região Sudeste, 64 no Sul do país, 48 no Nordeste e 37 no Norte, segundo dados do Sinaval.

Mercado de trabalho
Como se vê, o mercado é promissor para engenheiros navais, especialistas responsáveis por projetar, supervisionar, inspecionar, planejar e gerir operações. De acordo com o diretor do Centro de Engenharia Naval e Oceânica (CNaval) do Instituto de Pesquisas Tecnológicas vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, Carlos Padovezi, o profissional que atua nesse segmento busca especializações na área de hidrodinâmica (estudo de formas e linhas de cascos, movimentos e esforços em ondas, resistências e potências), estruturas (projeto estrutural de cascos de navios e plataformas marítimas), máquinas (sistemas instalados em navios e plataformas) e transporte (logística e custos).
Além de projetos em estaleiros, o desenvolvimento de pesquisas científicas navais é outro campo de trabalho para o engenheiro. No CNaval, são realizados estudos teóricos e experimentais com foco em soluções tecnológicas para propulsão, cascos, manobras e comportamento em ondas.
Há perspectivas de emprego também no setor de transporte fluvial de mercadorias considerando principalmente a tendência de investimento em alternativas mais econômicas e ambientalmente responsáveis do que a logística rodoviária. Na Universidade Federal do Pará, por exemplo, pesquisas em hidrovias ganham destaque nas atividades acadêmicas.
Porém, o mercado que chama mais atenção dos recém-formados é o de exploração de petróleo e gás em alto mar, onde a maior empresa do país, a Petrobras, emprega 257 engenheiros navais nas atividades de planejamento e fiscalização de projetos e obras, serviços de manutenção e operação em navios, embarcações de apoio marítimo e portuário e outras estruturas flutuantes, bem como no planejamento e execução da logística e comercialização de serviços de transporte de petróleo, derivados, gás natural e outros fluidos.

Interação profissional
Engenheiros do setor de tecnologia naval não trabalham sozinhos, mas em conjunto com técnicos e tecnólogos de diversas áreas, como construção e estruturas navais. Há integração ainda com profissionais da geologia e geografia, como explica o doutor em engenharia naval e oceânica Carlos Padovezi: “A interação com geógrafos e geólogos tem se dado principalmente nas atividades relacionadas com exploração de petróleo e gás no mar. Os engenheiros navais contribuem com as soluções para aumento da segurança e otimização da exploração de campos de petróleo no mar, determinados em trabalhos que envolvem geólogos e geógrafos”.

Números
De acordo com estatísticas do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), hoje estão inscritos na instituição aproximadamente 3,1 mil engenheiros navais, técnicos em estrutura e máquinas, além de tecnólogos em construção naval. Geógrafos, geólogos e técnicos em geologia somam 15,2 mil.

Onde se qualificar
No Brasil, as seguintes instituições públicas oferecem cursos de graduação e especialização em engenharia naval: Universidade de São Paulo (USP), as federais do Rio de Janeiro (UFRJ), Pará (UFPA), Rio Grande (FURG/RS) e de Pernambuco (UFPE), além da Estadual da Zona Oeste (UEZO/RJ) e a Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec/RJ). Já o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam) dispõe de curso técnico naval.

EM:08/08/2012
POR: JULIANNA CURADO
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DO CONFEA

Inscrições gratuitas abertas: participe do curso REVIT BIM 2023 – GLP do Crea Qualificando de junho

O Crea Qualificando de junho está repleto de conteúdos que vão enriquecer seus conhecimentos. Desta vez, o curso oferecido de…

Participe da Semana da Acessibilidade do Clube de Engenharia do Maranhão

Participe da Semana da Acessibilidade do Clube de Engenharia do Maranhão! 🗓️ Datas: 25 a 28 de junho de 2024…

Abril Verde 2024: campanha pela Vida e Segurança no Trabalho

O mês de abril é marcado pelo movimento Abril Verde, uma iniciativa que busca promover a conscientização sobre a importância…

Grupo de Trabalho (GT) realiza reunião com Serviço Móvel Pessoal (SMP) do CREA-MA para debates da implantação da tecnologia 5G no Brasil

Após a aprovação da prorrogação do Grupo de Trabalho Serviço Móvel Pessoal (SMP) até outubro deste ano, decidida na 2ª…
Pular para o conteúdo