Definidos valores das anuidades e ART para 2021.

Definidos valores das anuidades e ART para 2021

Na quinta-feira (24), durante a Sessão Plenária nº 1543, os conselheiros aprovaram que o valor da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) não seja reajustado em 2021. O pleno aprovou ainda que os valores de anuidades, taxas de serviços e multas para o próximo exercício sejam os mesmos praticados em 2020.

Segundo o integrante da Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema (CCSS) e coordenador do Grupo de Trabalho Ordem Econômica (GTOE), eng. civ. Gilson de Carvalho Queiroz Filho, a medida considera o atual cenário econômico do país e os reflexos da crise econômica acentuada pela pandemia de covid-19.  “A proposta formulada no GT, reafirmada pelo Colégio de Presidentes dos Creas, na prática não propõe descontos, pois compensa com o reajuste permitido em lei, mantendo os mesmos valores, praticados em 2020 para o ano de 2021”, esclareceu Filho.

“É um estudo histórico que considera o cenário econômico – do país, dos Creas, das empresas e dos profissionais – embasado em legislação, na economia significativa em relação a deslocamentos, passagens e diárias desde março quando foi decretada a pandemia e as reuniões passaram a ser virtuais”, destacou o coordenador da CCSS, eng. civ. Carlos Vilhena, ao parabenizar o trabalho feito pelo conselheiro Gilson Queiroz, que ainda incluiu no estudo o posicionamento de outros cinco conselhos profissionais sobre anuidades.  O coordenador da GTOE destacou que os orçamentos dos Regionais para o próximo ano deverão ser elaborados em torno dos valores definidos.

Para o coordenador do CP e presidente do Crea-SC, eng. agr. Ari Geraldo Neumann, a proposta – que teve aprovação unânime dos presidentes de Creas – está em consonância com o mercado profissional. “É a contribuição que o Sistema Confea/Crea pode dar neste momento para os profissionais que estão no mercado diante de tantas dificuldades econômicas”, reforçou Ari.

De acordo com as deliberações aprovadas, as anuidades poderão ser recolhidas em cota única com desconto de 10% sobre valor integral com vencimento em 31 de janeiro ou desconto de 5% para aqueles que pagarem até 28 de fevereiro de 2021. Para pagamento até 31 de março, o valor será integral.

Confira os valores de anuidade para pessoa física:

Confira os valores de anuidade para pessoa jurídica:

Confira os valores das taxas de registro de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART):

Confira os valores das taxas de serviços:

Confira os valores das multas:

CONP
Os conselheiros aprovaram deliberação da Comissão de Organização, Normas e Procedimentos (CONP) que homologa o registro da entidade de classe denominada Associação Centro Mineira dos Profissionais de Engenharia e Agronomia (Acentopea) no Crea-MG, a partir de 2022. Ainda foi aprovada a prorrogação do prazo para o Crea-PE e o Crea-RN protocolarem até 13 de outubro as respectivas composições do plenário para 2021.

Também foi aprovada a revisão de credenciamento da Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho (Anest) para fins de representação junto ao Colégio de Entidades Nacionais (CDEN). O CDEN é um fórum consultivo do Confea constituído pelas entidades nacionais representativas das profissões jurisdicionadas pelo Sistema Confea/Crea e credenciadas junto ao Federal.

Fernanda Pimentel
Equipe de Comunicação do Confea

Confea entra com ação civil pública contra resolução do CFT.

Editada em junho último, a Resolução nº 101 do Conselho Federal dos Técnicos Industriais – CFT vinha sendo alvo da preocupação do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, desde a sua publicação. Na tarde desta terça (22), o Confea ajuizou na 9ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal uma ação civil pública que pede a nulidade da Resolução, cujas consequências podem representar sérios danos à sociedade.

 “Dialogamos com diversas entidades e associações da Engenharia Mecânica, além da área jurídica e da área deliberativa do nosso sistema profissional. Desse trabalho conjunto resultou essa ação civil pública, que acreditamos que poderá anular a Resolução do CFT”, diz o presidente em exercício do Confea, eng. civ. Osmar Barros Jr.

 Ele informa ainda que a resolução foi encarada como uma “extrapolação” às competências do CFT, comprometendo a segurança da sociedade. “Oferecer atribuições incompatíveis com a formação desses profissionais coloca a sociedade em risco. Tentamos evitar essa resolução, colocando-nos à disposição do diálogo com o CFT, inclusive por meio da Comissão Temática de Harmonização Interconselhos (CTHI), inclusive porque a própria  Lei 13.639/2018, que criou o CFT, define que os sombreamentos seriam resolvidos por uma resolução conjunta, o que não foi respeitado”, complementa.

 Uma das entidades ouvidas pelo Confea, a Federação Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial (Fenemi) reforça a amplitude das competências a que os técnicos industriais se atribuíram. “O mais impressionante é que eles conhecem a nossa legislação e, claro, a diferença entre as formações. Como então eles podem se mostrar competentes para promover projetos de sistemas mecânicos, para elaborar especificações a laudos técnicos ou assistência técnica? Os riscos são imensos, desde uma caldeira à qual eles não tenham capacitação para atuar de modo sistêmico, como apenas a formação em engenharia mecânica possibilita”, descreve o presidente da entidade, Marco Aurélio Candia Braga.

Competências sistêmicas para a operação de caldeiras mecânicas, por exemplo, foram citadas pelo presidente da Fenemi, eng. mec. Marco Aurélio Candia Braga

Ilegalidade e diálogo

Segundo o procurador-chefe do Confea, Igor Tadeu Garcia, a ação civil pública ajuizada possui como objetivo maior combater as inconstitucionalidades e ilegalidades decorrentes da Resolução 101/2020 do CFT, salvaguardando a sociedade e os profissionais regularmente inscritos no Sistema Confea/Crea e Mútua.

 Na visão do procurador, “sem a menor sombra de dúvida”, a Resolução nº 101/2020 do CFT “é ilegal, pois criou novos direitos para os Técnicos Industriais, com habilitação em Mecânica, não previstos em lei, sendo também inconstitucional, pois invadiu competência específica da Presidência da República, prevista no art. 84, IV da CRFB/88, além de afrontar os princípios constitucionais da reserva legal (art. 5º, II), segurança jurídica e da legalidade (art. 37, caput)”.

 Diante desse quadro, ainda segundo o procurador, a declaração de nulidade da Resolução nº 101/2020 do CFT, pelos vícios de ilegalidade formal e material e pela evidente extrapolação do poder regulamentar em relação ao conteúdo da Lei 5.524/1968 e do Decreto 90.922/1985, “é medida impositiva”. A ação civil pública objetiva ainda que a Justiça determine que o CFT se abstenha de editar novas resoluções para que não volte a extrapolar os limites desses normativos.

A ilegalidade da resolução do CFT é destacada pelo procurador jurídico do Confea, Igor Tadeu Garcia

Para Igor Tadeu Garcia, a Resolução deve ser anulada o quanto antes, pois “extrapolou os limites do razoável no atual estado democrático de direito”. O Procurador Jurídico do Confea enfatiza que a Resolução do CFT gera possíveis responsabilizações aos técnicos mecânicos, ao dar atribuições para as quais eles não estão habilitados. “Quaisquer erros podem gerar responsabilizações civis, administrativas, criminais, além de desajustes contratuais a esses profissionais”, aponta.

 Ao retomar a participação dos técnicos industriais no Sistema Confea/Crea e Mútua, Igor ressalta também que “eles tiveram todas as atribuições da lei e do decreto, e nada mudou. A simples criação do CFT não mudou a legislação, e muito menos acrescentou a esses profissionais atribuições e competências profissionais incompatíveis com suas formações curriculares”.

 

 Henrique Nunes

Equipe de Comunicação do Confea

 

Votação para eleições do Sistema começa às 8h no dia 1º de outubro.

A Comissão Eleitoral Federal (CEF) esteve reunida para alinhar os últimos preparativos para as eleições do Sistema Confea/Crea e Mútua marcadas para o dia 1º de outubro, das 8h às 19h.  Neste ano, serão eleitos profissionais para os cargos de presidentes do Confea e dos Creas, conselheiros federais (BA, TO, MA, PR e RS) e diretores-gerais e administrativos das Caixas de Assistência dos Profissionais dos Creas (Mútua).

Para a segurança de todos os envolvidos nas eleições, o Sistema Confea/Crea e Mútua adotou todas as medidas sanitárias recomendadas pelos órgãos de Saúde, tais como o uso obrigatório de máscaras, luvas descartáveis e protetores faciais, pelos mesários durante todo o período em que estiverem no local de votação. Já os eleitores terão as mãos higienizadas com álcool gel 70%, além de obedecerem o distanciamento mínimo, as demarcações visuais. Vale ressaltar que as pessoas do grupo de risco terão horários preferenciais. “Todas as medidas de segurança foram pensadas, considerando a necessidade de preservar a segurança e a saúde da comunidade profissional da Engenharia, da Agronomia e das Geociências, bem como de todos os colaboradores dos Creas envolvidos no processo eleitoral 2020”, destacou o presidente em exercício, eng. civ. Osmar Barros Júnior. A votação será feita com cédulas oficiais em urna convencional, e a apuração será manual, de acordo a deliberação publicada na página da Comissão Eleitoral do Confea.

Prazos e ritos
De acordo com a Decisão Plenária 1273/2020, a data-limite para as Comissões Eleitorais Regionais (CER) encaminharem à CEF, por meio eletrônico, o mapa geral de apuração e a ata final da eleição, será dia 5 de outubro de 2020. Por sua vez, a CEF terá até o dia 23 de outubro para consolidar os dados e informações, encaminhando ao Plenário do Federal a proposta de homologação dos resultados. E até o dia 30 de outubro, o Plenário do Confea deverá homologar os resultados das Eleições 2020.

Na segunda-feira (21), foi publicada a Deliberação 180/2020, que complementa os protocolos sanitários já estabelecidos em resoluções anteriores. Entre as medidas, está a determinação de quando da abertura do processo de votação, no dia 1º de outubro de 2020, o presidente da mesa apresentará aos presentes que a urna está vazia, e na sequência, lacrará a urna, e, posteriormente a higienizará com álcool 70%. O texto estabelece ainda que os mesários deverão promover a higienização com álcool 70% de todo material utilizado pelo eleitor, como por exemplo, canetas e cabine de votação, ao término de cada voto. Cabe destacar que quando ocorrer no local de votação, a apuração dos votos terá início imediatamente após o encerramento da eleição e não será interrompida até sua conclusão, observadas as medidas preventivas. Entretanto, quando a apuração dos votos ocorrer na sede do Regional, ao ser recebido na sede do Crea, o material das eleições deverá ser higienizado antes de ser apurado e os membros e assessores da CER, durante todo o período em que durar a apuração dos votos, deverão observar o distanciamento mínimo de um metro entre eles, e as recomendações preventivas ao contágio do novo coronavírus.

Confira o folder com as medidas a serem adotadas:

Serviço:
Data da eleição:
 1º de outubro de 2020
Horário: 8h às 19h
Documentos aceitos para votar:  RG, CNH, Carteira de Trabalho, Carteira funcional expedida por órgão público, Carteira de identidade expedida por órgão fiscalizador do exercício da profissão; Certificado de Dispensa de Incorporação (“Certificado de Reservista”). Inclusive os digitais: Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e); Documento Nacional de Identidade (DNI); e Título de Eleitor eletrônico (e-Título)
Local de votação: eleitor tem de conferir no site do Crea em que quitou sua última anuidade (Resolução 1114/2019)
Medidas de prevenção ao coronavírus nas seções eleitorais: uso de máscara e luva, de álcool 70% e distanciamento

Fernanda Pimentel
Equipe de Comunicação do Confea

Dia do Engenheiro Químico.

Parabéns a todos os engenheiros químicos! Nossa homenagem a estes profissionais que possuem conhecimentos abrangentes em diversas áreas, contribuindo para o desenvolvimento de produtos e processos químicos.

Nelson Cavalcanti
Presidente em exercício do Crea-MA.

Crea-MA realizará live sobre Legislação Profissional.

Com o tema: Legislação profissional da engenharia, agronomia e geociências” o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) realiza mais uma live no dia 30/09. O evento vai acontecer às 19h e será transmitido pela plataforma zoom e no canal do youtube do Crea-MA.

O palestrante será o eng. mec. Wesley Assis, superintendente de Fiscalização do Crea-MA e o moderador, o eng. eletric. Rogério Moreira Lima, coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica do Crea-MA.

A abertura vai ser feita pelo presidente em exercício do Conselho, eng. mec. Nelson Cavalcanti.

Na live, o engenheiro Wesley Assis abordará a Lei 5.194, de 24 de dezembro de 1966, que assegura direitos e prerrogativas dos profissionais de engenharia, arquitetura e agronomia e protege a sociedade contra os riscos do mau exercício profissional ou execução de leigos.

Outros importantes temas, tais como o que é o Sistema Confea/Crea/Mútua, as atribuições dos profissionais, registro de pessoa física, registro de pessoa jurídica, Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) e Certidão de Acervo Técnico (CAT) serão apresentados durante a live.

 

Texto: Vitória Castro.

Assessoria de Comunicação do Crea-MA.

Ações de Fiscalização do Crea-MA são discutidas durante reunião.

A retomada, no dia 10 de agosto, das ações de fiscalização na sede do Crea-MA e na inspetoria de Imperatriz pautaram ontem (14) a reunião do presidente em exercício do Conselho, eng. mecânico Nelson Cavalcanti com o superintendente de Fiscalização, eng. mecânico Wesley Assis, o gerente de Fiscalização da Sede, engenheiro mecânico Juciel Almeida, o gerente de Fiscalização das Inspetorias, eng. agro. Roberto de Souza e o gerente de Fiscalização Inteligente, Engenheiro Industrial Mecânico, Marcos Lima.

As atividades de fiscalização em campo na sede do Crea-MA e em Imperatriz retornaram quando também foi retomado o atendimento presencial em São Luís, com todas as medidas preventivas determinadas pelo governo do Estado e órgãos de saúde. “Durante a pandemia foi feita a fiscalização inteligente, que resultou na elaboração de 3003 relatórios de fiscalização no período de 24 de março a 10 de agosto”, informou o superintendente Wesley Assis.

A retomada da fiscalização nas inspetorias de Açailândia e Timon está aguardando a manutenção que está sendo feita em alguns veículos destas inspetorias e na inspetoria de Pedreiras as ações de fiscalização reiniciaram nesta semana. “Os fiscais que pertencem ao grupo de risco estão realizando o trabalho em regime home office”, informou o gerente Roberto Sousa.

O Crea-MA adquiriu desde o ano passado, 7 veículos novos por meio do Programa de Desenvolvimento e Aprimoramento da Fiscalização (Prodafisc) do Conselho Federal da Engenharia e Agronomia (Confea), além de tablets e outros equipamentos, realização de treinamentos com os fiscais da sede e do interior e da execução do plano de fiscalização.

A sede do conselho foi contemplada com cinco carros e os outros dois foram destinados para as inspetorias de Balsas e Imperatriz.

O Crea-MA está ainda solicitando oficialmente ao Confea mais recursos do Prodafisc para a compra de mais seis veículos e novos treinamentos para fiscalização, além da execução do plano de fiscalização.

Força Tarefa Santa Inês

A Força Tarefa da Superintendência de Fiscalização do Crea-MA que está sendo realizada no período de 14 a 25 de setembro, em Santa Inês, para atender a demanda de denúncias acumuladas ao longo dessa pandemia para Santa Inês e Santa Luzia, também fez parte da reunião do presidente com os gestores da Superintendência de Fiscalização.

CREA-MA solicita à Justiça Federal suspensão do Concurso Público da Prefeitura de Codó.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) ajuizou mais uma ação civil pública na Justiça Federal para o cumprimento do piso salarial de engenheiro. Desta vez foi contra a Prefeitura Municipal de Codó, que não atendeu à notificação do Crea-MA, feita em junho deste ano, solicitando a retificação do Edital nº 001/2020, no que se refere à remuneração prevista para os cargos de Engenheiro Ambiental e Engenheiro Agrônomo.

Na mesma data foi solicitada também a retificação do concurso da Câmara de Vereadores de Imperatriz que, após a notificação feita pelo Crea-MA, corrigiu o edital com o valor da remuneração do cargo de engenheiro civil, de acordo com a Lei Federal nº 4.950-A/1966, que estabelece o piso salarial de 06 (seis) salários-mínimos para os profissionais de nível superior da engenharia.

No caso do Serviço Social do Comércio do Maranhão (Sesc-MA), também notificado via ofício pelo Crea-MA, o seletivo para engenheiro civil foi cancelado. “Também solicitamos a retificação dos editais de concurso dos municípios de Estreito, Barra do Corda, Riachão e Araioses, mas estes concursos foram suspensos por vários motivos”, informou Nelson Cavalcanti, presidente em exercício do Crea-MA. “Com estas notificações estamos dando continuidade nas ações de defesa do cumprimento do piso salarial”, acrescentou ele.

Nelson Cavalcanti informou que espera mais uma vitória do Conselho na ação contra a prefeitura de Codó, assim como conseguiu com a ação que foi ajuizada contra a prefeitura de Feira Nova do Maranhão. “Em março deste ano conseguimos a medida liminar para suspender o Concurso Público para o cargo efetivo de engenheiro civil. A ação foi ajuizada após a recusa do município em retificar extrajudicialmente o edital, solicitada pelo Conselho”, explicou o presidente.

O edital previa a remuneração mensal bruta de R$ 1.927,80 (um mil, novecentos e vinte e sete reais e oitenta centavos).

A decisão do juiz federal Victor Curado Silva Pereira, da Subseção Judiciária da Justiça Federal de Balsas/MA, mencionou a existência de legislação que estabelece o piso salarial nacional de 06 (seis) salários-mínimos para os engenheiros. De acordo com o despacho do magistrado “existem diplomas normativos que regulamentam o piso salarial dos engenheiros civis, arquitetos e engenheiros agrônomos”, referindo às leis nº 5.194/66 e 4.950-A/1966.

 

Texto: Vitória Castro

Assessoria de Comunicação do Crea-MA.

O aumento da demanda de internet durante a pandemia foi abordado durante live promovida pelo Crea-MA.

Com o tema “Soluções da Engenharia de Telecomunicações em tempos de pandemia”, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) realizou na tarde desta quinta-feira (10) mais uma live. A abertura do evento virtual foi feita pelo presidente em exercício do Crea-MA, Eng. Mec. Nelson Cavalcanti.
O palestrante, Eng. Eletric. Maurício Machado, diretor e responsável técnico da empresa Lig16, afirmou durante a live que os maiores problemas enfrentados pela operadora de telecomunicações com a pandemia foram a garantia da disponibilidade das conexões a internet através do aumento da produtividade pois a covid afetou alguns funcionários e também foram necessárias a adequação de medidas sanitárias dificultando a manutenção da rede de telecomunicações . “Foi um grande desafio para as equipes técnicas, principalmente de manutenção para manter o serviço em operação sem que houvesse interrupção e isso foi um desafio gigantesco”, explicou Maurício.
Ele informou que houve um aumento da demanda de internet que cresceu em torno de 45% e pequenos provedores tiveram um aumento de clientes de cerca de 18%. “Em alguns momentos tivemos um gargalo nas redes de transportes e precisamos aumentar a disponibilidade com a contratação de links redundantes”, explicou.
Para Maurício, a pandemia adiantou em até dez anos as tendências na área de telecomunicações. “Em 2, 3 meses adiantou-se o que acabaria ocorrendo entre 2 a 5 e até dez anos. Para se ter uma ideia do impacto que foi essa mudança”, concluiu ele.
O Eng. Eletric. Rogério Moreira Lima, coordenador da Câmara Especializada de Energia Elétrica foi o mediador da live.
Ele lembrou que houve uma sobrecarga no tráfego nas redes e por conta disso teve plataforma digital que diminuiu a resolução dos vídeos e a tv reduziu de 8k para HD a qualidade da imagem. “Houve um aumento do teletrabalho e da demanda de internet”, ressaltou ele.
Para quem perdeu a live, o evento está disponível no canal do Crea-MA no youtube.

Locação de imóvel para funcionamento da sede do Crea-MA, Prodesu e grupo de Trabalho de Engenharia Condominial pautaram plenária.

Realizada na noite do dia 01 de setembro, a 8ª Reunião Plenária Ordinária do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA), que foi transmitida ao vivo pelo youtube no  canal do Conselho.

Uma das pautas da reunião, foi a proposta do presidente em exercício do Crea-MA, eng. mec. Nelson Cavalcanti, para locação de um imóvel para o funcionamento da sede do Crea-MA em São Luís, num local de melhor localização e melhor estrutura física, visto que o atual prédio necessita de manutenção. “Estamos tomando todas as providências administrativas com o andamento dos processos para a construção da nova sede, mas precisamos alugar um novo espaço enquanto o prédio não é construído”, explicou Nelson Cavalcanti, esclarecendo ainda que esta proposta estava sendo formulada e aguardava apenas algumas avaliações que estavam sendo feitas há alguns meses.

A proposta do presidente em exercício do Crea-MA foi aprovada pelos conselheiros por unanimidade, que antes mesmo da apresentação do presidente, já se manifestaram sobre a atual situação do prédio.

Sobre o atendimento presencial do Crea-MA, que voltou no dia 10 de agosto, somente na sede, Nelson Cavalcanti esclareceu que o atendimento nas inspetorias será retomado gradativamente, de acordo com a melhoria da situação epidemiológica em cada uma das cidades, mas ressaltou que o atendimento home office, ainda em parte funcionando, tem atendido as demandas do conselho. “Implantamos o atendimento via whatsapp, estamos analisando as ART´s, CAT´s, registros e outras solicitações, portanto, o trabalho continuou mesmo durante a pandemia”, ressaltou ele.

Nelson Cavalcanti agradeceu e ressaltou ainda o trabalho dos conselheiros membros das câmaras especializadas e das comissões, que se reuniram virtualmente para análise dos processos e elaborando importantes encaminhamentos e deliberações.

Em sua fala, o superintendente de Fiscalização, eng. mec. Wesley Assis, informou que foi feita a fiscalização inteligente neste período da pandemia, resultando na elaboração de 3003 relatórios de fiscalização no período de 24 de março a 10 de agosto. “Atualmente os fiscais do Crea-MA da sede e da inspetoria de Imperatriz estão dando prioridade nas denúncias geradas, além de que estamos avaliando novas metodologias que já estão sendo implementadas nas ações de fiscalização”, informou o superintendente, que reuniu-se esta semana com os fiscais para discutir o resultado destas novas metodologias.

Grupo de Trabalho de Engenharia Condominial

Durante a plenária, foi constituído um Grupo de Trabalho de Engenharia Condominial para propor fiscalização das atividades de engenharia em condomínios residenciais multifamiliares, por conta de recentes problemas ocorridos com interdições e incêndios, decorrentes de falta de manutenção de instalações elétricas, falhas construtivas que dificultam o combate a situações de pânico e incêndio e  aprovação de projetos com erros técnicos e ou omissão de engenharia.

O coordenador do Grupo de Trabalho, eleito pelo plenário, é eng. civ. Luís Antônio Simões Hadade) e o coordenador adjunto o eng. eletric. Fernando Lima.

Prodesu

Outro ponto da reunião foram os recursos acessados pelo Crea-MA oriundos do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Confea (Prodesu) que tem como objetivo  angariar e gerenciar recursos orçamentários e financeiros para custear programas voltados à promoção da sustentabilidade econômica, financeira e social dos Creas e às ações para uniformização de procedimentos no cumprimento de sua missão.

 Na apresentação dos recursos do Prodesu, o assessor do Crea-MA Leôncio Lima, informou que foram acessados recursos da ordem de R$ 1.334.014,21, nos anos de 2018 e 2019, com contrapartida do Crea-MA e a previsão de 2020 é de 843.424,40, destes, 528.890,35 já foram aprovados para serem investidos no programa de fiscalização e o restante ainda estão sendo elaborados os planos de trabalho para serem apresentados ao Confea, contemplando ações de comunicação, mobiliário e auditoria externa.

Os recursos de 2018 e 2019 foram investidos na execução do plano de fiscalização, aquisição de veículos, treinamentos com os fiscais, mobiliários, equipamentos de informática, participação de conselheiros em eventos realizados pelo Sistema Confea/Crea e ainda utilizados nas eleições do Sistema Confea/Crea/Mutua, que será realizada no próximo dia 01 de outubro.

Texto: Vitória Castro

Assessoria de Comunicação do Crea-MA.

Expedição Logística é apresentada a coordenadores de Agronomia dos Creas.

Os integrantes da Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Agronomia (CCEAGRO) conheceram nesta quinta-feira (3/9) detalhes da Expedição Logística, patrocinada pelo Sistema Confea/Crea e Mútua, em parceria com a Gazeta do Povo. Com o tema “Portos que conectam o Brasil e o mundo”, o projeto fará um raio-x do escoamento da produção agropecuária brasileira, com foco nas estruturas portuárias.

Reportagens, exposição fotográfica digital, websérie, lives e hotsite irão retratar as tendências de 13 portos, em 14 estados brasileiros, mostrando como essa modalidade logística ganha cada vez mais capilaridade e cresce de norte a sul do país, conferindo mais eficiência e competitividade ao mercado nacional, como explica o coordenador da CCEAGRO, que tem participado ativamente da concepção da iniciativa. “A Expedição mostrará à sociedade as contribuições do setor logístico para a retomada do crescimento nacional, principalmente para superar esta pandemia”, afirmou o eng. agr. Thiago Oliveira, que também integra o Conselho de Comunicação e Marketing do Confea.

Para ele, o projeto será um caminho de reflexão e revisão da política de transporte do país. “Fará repensar a logística nacional, mostrando, por exemplo, como o Arco Norte conseguiu mais representatividade ao escoar a produção, desafogando o fluxo intenso das regiões Sul e Sudeste”, pontuou, salientando a relevância dos portos e estações de transbordo de Amapá, Amazonas, Bahia, Maranhão, Pará, Rondônia e Sergipe – região conhecida como Arco Norte, considerada essencial para o escoamento de grãos desses estados e também do Centro-Oeste. Essa rota tem aproximado produtores nacionais dos parceiros comerciais internacionais, tendo aumentado em 50% seu escoamento nos últimos anos, respondendo por 51% de grãos exportados, segundo o coordenador da CCEAGRO.

Integração
Para fazer acontecer a Expedição Logística de agora até março de 2021, Thiago ressalta que cada integrante da CCEAGRO será um elo de informação representando os 27 estados. “Os coordenadores dos Creas darão contribuições para que o projeto aconteça como um todo.”

A importância da parceria com os Conselhos Regionais foi reforçada pelo coordenador da Expedição, Giovani Ferreira, durante a reunião on-line. “Para estimular a retomada do desenvolvimento econômico e mobilizar profissionais, sociedade e governo, precisamos que os coordenadores da Agronomia nos auxiliem com informações peculiares sobre agronegócio e logística de cada localidade para construirmos o roteiro das visitas de campo e gerarmos conteúdo para divulgação”, finalizou.

Acesse https://especiais.gazetadopovo.com.br/expedicao-logistica/ e saiba mais sobre esta iniciativa.

Roteiro
Como os portos estão se preparando para o futuro do comércio internacional? Como os modais se organizam para fazer frente à ampliação e modernização dos portos? Qual o papel do Estado e da iniciativa privada na infraestrutura rodoviária, ferroviária e hidroviária de acesso aos portos? Qual a relação direta e indireta dos portos no desenvolvimento econômico e social do Brasil, na geração de emprego, renda e nas divisas comerciais? Essas são algumas questões que a Expedição Logística irá pautar nos próximos meses, durante as quatro fases de divulgação.

Até outubro, o destaque será o diagnóstico da última década, com foco na infraestrutura, tecnologia, economia, produção e privatizações. A segunda fase apresentará projeções para os próximos dez anos, mencionando políticas públicas, parcerias público-privadas e integração multimodal. Em novembro e dezembro, será feita a pesquisa de campo nos 13 portos brasileiros. Para a última etapa, está prevista visita técnica a estações portuárias da Ásia (Singapura, Xangai e  Shenzhen).

Leia também:
Expedição logística vai analisar portos do Brasil 

Julianna Curado
Equipe de Comunicação do Confea