05.11 – DIA DO TÉCNICO EM ELETRÔNICA E DO TÉCNICO AGRÍCOLA

Neste 5 de novembro, comemora-se o Dia do Técnico em Eletrônica. Esse profissional  é capacitado para projetar, montar e instalar equipamentos eletrônicos na linha de produção, além de  participar de programação de equipamentos com a utilização da informática e fazer a manutenção preventiva e corretiva de aparelhos. Eles estão presentes nas indústrias, empresas, concessionárias de energia elétrica e telefonia, hospitais e empresas de informática e de telecomunicações.
De acordo com o conselheiro federal e engenheiro mecânico Júlio Fialkoski, que também é técnico em eletrônica, o mercado para esses profissionais é bastante promissor.  “É preciso haver investimento em pesquisa e desenvolvimento para que a atuação não se restrinja às funções de manutenção e correção de problemas, já que existe a capacidade técnica para atuar no desenvolvimento e inovação de produtos”, disse Fialkoski.
Para o conselheiro federal, engenheiro eletricista e técnico em eletrônica, Marcos Vinicius Santiago Silva, a profissão é essencial para o desenvolvimento econômico do País. “Afinal a eletrônica está presente em todas as profissões e no cotidiano de todos nós”, ressaltou ele.
Já o presidente da Associação Brasileira de Ensino Técnico Industrial (Abeti), conselheiro federal e técnico mecânico Luis Eduardo Quitério, lembra que a procura pelo profissional é muito grande e a instalação de novos cursos tem acontecido de forma satisfatória. Ele enfatiza que a procura pela profissão também está relacionada à possibilidade de atuar como autônomo e pelo retorno financeiro.  “Já está em tramitação no Congresso projeto de lei que define o nosso piso salarial”, informa o conselheiro.
O Sistema Confea/Crea e Mútua, que possui mais de 70 mil técnicos em eletrônica cadastrados, parabeniza os profissionais que comemoram este 5 de novembro.
DIA DO TÉCNICO AGRÍCOLA: Também no dia 5 de novembro, comemora-se o Dia do Técnico Agrícola. Esse profissional está habilitado para atuar em qualquer etapa da cadeia produtiva agropecuária e pesca, seja no fornecimento de recursos produtivos – venda de insumos, venda de máquinas e equipamentos, prestação de serviços, crédito rural – na produção agrícola/zootécnica propriamente dita e na comercialização dos respectivos produtos.
Desde 1966, os técnicos agrícolas, em suas diversas modalidades, têm seus registros profissionais no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), de seu estado.
Os técnicos agrícolas são profissionais de grande importância na produção de alimentos com qualidade, garantindo proteção ao meio ambiente e contribuindo para a segurança alimentar da população.
De acordo com o conselheiro federal Cassiano Henrique Ramos, que representa os técnicos agrícolas no Sistema Confea/Crea e Mútua, neste ano a data merece mais uma comemoração, “pois antecede a 69ª Soea e  teremos a oportunidade de defender a efetiva representatividade da categoria nos plenários dos Creas e do Confea, já que estaremos discutindo a atualização da Lei 5194/66.”
O Sistema Confea/Crea e Mútua também parabeniza os técnicos agrícolas pelo seu dia.

Por Fernanda Pimentel
Equipe de Comunicação do Confea

CREA-MA REALIZA BLITZ DE FISCALIZAÇÃO

Estão sendo realizadas desde a manhã de ontem (05.11) diversas ações de fiscalização por parte do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão. O trabalho, que faz parte da programação de fim de ano do Conselho, é uma iniciativa conjunta entre a presidência, superintendência, Assessoria Técnica e Gerência de Fiscalização e nada mais é do que a intensificação de atividades que já são realizadas durante todos os dias pelo Conselho.
O objetivo principal é a fiscalização do exercício e das atividades profissionais, através da exigência de apresentação das diversas Anotações de Responsabilidade Técnica (ART’s) dos empreendimentos. Ao identificar obra ou serviço sem a presença de profissional habilitado, o proprietário será notificado para regularizar a situação. Se isso não ocorrer dentro de dez dias, prazo da notificação, será lavrado o auto de infração e, além de permanecer a obrigatoriedade de contratação de profissional habilitado, incidirá uma multa lançada por exercício ilegal da profissão.
A ação também serve para alertar a população sobre edificações ou realização serviços técnicos sem a presença de um responsável técnico. No momento em que é iniciada uma construção sem um profissional habilitado é o proprietário quem responde por qualquer incidente na obra. Além disso, o exercício ilegal da profissão é considerado crime.
A comunidade também pode contribuir com o trabalho ao denunciar empreendimentos irregulares através da DENÚNCIA ONLINE do Crea-MA, pelo site do Conselho (www.creamaranhao.pagina-oficial.com) ou pelo telefone: (98) 2106-8347
Segundo o presidente do Crea-MA, o Eng. Mecânico Alcino Araújo Nascimento Filho o objetivo principal é salvaguardar os profissionais e a sociedade: “Mobilizamos diversos setores do Conselho para que possamos desencadear essas ações de fiscalização para possamos garantir a legalidade.” – afirmou.

NOTA SOBRE INCIDENTE NO MAIOBÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão- Crea/MA sobre o incidente ocorrido no bairro do Maiobão, onde dois operários ficaram gravemente feridos após o desabamento de um galpão na semana passada, esclarece previamente que:
Somos uma entidade pertencente ao Sistema Confea/Creas/Mútua, sendo responsável pela fiscalização do exercício das profissões da área tecnológica: engenharias em geral, agronomia, Geologia, Geografia (bacharelado), Metereologia e cursos técnicos relacionados às áreas regulamentadas.
O Crea-MA verifica, orienta e fiscaliza o exercício profissional com a missão de defender a sociedade da prática ilegal das atividades abrangidas pelo Sistema Confea/Crea, visando a ser reconhecido pelos profissionais do Sistema e pela sociedade como instituição de excelência por sua atuação ágil, íntegra e eficiência, através de um excelente atendimento aos profissionais e a sociedade, participação e comprometimento com os resultados organizacionais e de capacitação técnica.
Ou seja, nessa questão, o que já foi realizado é a fiscalização in loco, com a exigência das Anotações de Responsabilidade Técnica (ART’s). A ART define obrigações contratuais e identifica os responsáveis pelos empreendimentos relativos à área tecnológica. O documento é exigido na elaboração de projetos, consultoria, execução de obras e serviços, independentemente do nível de atuação do profissional. Só podem ser feitas por profissionais do Sistema Confea/Crea que estejam legalmente habilitados.
O que também já foi realizado no empreendimento é o que chamamos de Fiscalização Preventiva Integrada, que tem como metas Fiscalizar, prevenir e garantir a segurança da população e é um programa criado e coordenado pelo Crea-MA.O principal objetivo da FPI é salvaguardar a população de situações de risco. Por isso, apesar das fiscalizações serem educativas e preventivas, o não atendimento às exigências, quanto à correção dos problemas detectados por ocasião das inspeções, pode implicar na emissão de autos de infração, na interdição parcial, ou nos casos mais graves, até na solicitação de interdição total do espaço e equipamentos, através de medidas judiciais.

CREA-MA PARTICIPA DE VISTORIA NO SHOPPING DA ILHA

O estacionamento interno do Shopping da Ilha foi interditado nesta quarta-feira, 31, após vistoria coordenada pela 2ª Promotoria de Justiça do Consumidor, realizada pela manhã. A proibição do acesso foi efetuada pelo Grupamento de Atividades Técnicas (GAT) do Corpo de Bombeiros devido a existência no local de instalações elétricas improvisadas. Uma saída de emergência igualmente foi fechada. Também acompanharam a inspeção, técnicos da Vigilância Sanitária Municipal e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão – Crea-MA.
Um Termo de Acordo foi assinado com a diretoria do estabelecimento pelos órgãos fiscalizadores pedindo adequações na estrutura do centro comercial. Ficou estabelecido o dia 19 de novembro como prazo máximo para a realização dos reparos. Em caso de descumprimento de qualquer termo do documento, está prevista uma multa diária de R$ 10 mil. O certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros também poderá ser cassado, o que decretaria a interdição completa do prédio. Uma nova vistoria será feita no próximo dia 19 para verificar as adequações.

PROBLEMAS
Além dos problemas referentes à instalação elétrica, foi constatado que a maioria dos corredores técnicos do shopping não possuem revestimento no piso, nas paredes e no teto. Também foi verificado que os detectores de incêndio das lojas não estão conectados à rede elétrica, portanto, não acionam a central de alarme.
Também durante a vistoria, foi flagrado o transporte de alimentos dos restaurantes e lanchonetes sendo feito nos mesmos corredores e elevadores utilizados para a retirada de lixo. Igualmente foi verificado que a área de desembarque dos alimentos está próxima a uma obra, expondo os produtos à sujeira e à poeira, e que uma das saídas de emergência, que dá aceso ao estacionamento interno, estava fechada.
Ainda foi constatado que o corredor usado por trabalhadores para o acesso a uma grande loja de departamentos está em obras, tomado pela poeira e por material inflamável, a exemplo de papelão e plástico.

PEDIDOS
No documento, o Ministério Público do Maranhão pediu a correção de todas as irregularidades encontradas, de acordo com a análise de todos os órgãos de inspeção, o que inclui a realização do revestimento completo (teto, piso e parede) dos corredores técnicos, o isolamento e revestimento da área de desembarque de alimentos, a adequação da fiação elétrica do estacionamento etc.

ANTECEDENTES
No dia 19 de setembro outra vistoria já tinha sido feita no estabelecimento. Na ocasião, a área do parque infantil foi interditada. Algumas das irregularidades verificadas naquela primeira inspeção foram corrigidas. No entanto, novos problemas foram encontrados desta vez.
Frequentam diariamente o Shopping da Ilha aproximadamente 30 mil pessoas, segundo dados da diretoria.  O estabelecimento foi inaugurado em novembro do ano passado.

Com informações do MP/MA (Eduardo Júlio)

EM REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA, COLÉGIO DE PRESIDENTES DEBATE SOBRE 69ª SOEA

Uma mesa de trabalho formada pelos presidentes do Confea, José Tadeu da Silva, do Crea-PA, Antonio Carlos Albério, do Crea-MS, Jary de Carvalho e Castro, do Crea-DF, Flávio de Souza coordena hoje durante todo o dia, a 2ª Reunião extraordinária do Colégio de Presidentes. Em pauta, o evento de maior projeção do Sistema Confea/Crea, a 69ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia que este ano acontece de 19 a 23 de novembro próximo, em Brasília. O Crea-MA esteve representado pelo seu presidente,  o Eng. Mecânico Alcino Araújo Nascimento Filho.
Com uma programação baseada na reformulação de leis que têm relação com o funcionamento do Sistema Confea/Crea e com o exercício das atividades profissionais da área tecnológica, a 69ª Soea abrirá o debate em nível nacional sobre a lei 5.194, de 1966 e sobre a 4.940-A, que trata do salário mínimo profissional, por exemplo, além de definir uma posição sobre Projetos de Lei que tramitam no Congresso Nacional, seguindo o conceito definido pela programação “os profissionais como agentes de transformação na sociedade”.
Pela manhã, durante a abertura dos trabalhos, Flávio, o anfitrião do evento, classificou a reunião “como fundamental para o sucesso da 69ª Soea”, Jose´Tadeu, por sua vez, afirmou que  “é muito importante para os destinos do Sistema Confea/Crea encaminhar o direcionamento de forças para contrapor aos que agem por sua desregulamentação”.
Ao se dirigir aos membros do colegiado de presidentes, ele defendeu a participação e condução do processo pelos próprios profissionais que atuam no dia a dia, e não apenas pelos “semanistas”.
Para o presidente do Confea, “não é necessário revogar a lei 5.194, mas atualizar alguns artigos defasados e mesmo sobrepostos por outras leis como a 12.514, de 2011 que trata de anuidades e taxas e a 12.378, que criou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo, o que provocou o desligamento desses profissionais do Sistema.

Resgate – Ao defender a necessidade de atualização, José Tadeu citou o artigo 53 da própria 5.194 que determina uma reunião anual específica dos representantes do Confea e Creas para estudar o aperfeiçoamento da legislação relativa a questões: “temos que resgatar esse espírito”.
Ele lembra que alguns dispositivos da 5.194 são únicos e dão ao Sistema Cofea/Crea prerrogativas que os demais conselhos de profissões regulamentadas não têm. Por isso, segundo José Tadeu, propõe que “sejam trabalhados pontos específicos para traçar ações definidas pelo coletivo”.
Ao falar sobre o salário-mínimo profissional, José Tadeu disse que o Brasil deveria seguir o exemplo de Japão, Estados Unidos e mesmo Alemanha que em suas equipes de governo mantém 80% de engenheiros das mais diversas modalidades visando à execução de projetos. Para ele, “não basta estabilidade econômica e política para atrair investimentos e estimular o desenvolvimento, temos que ter políticas públicas estruturadas”, defendeu.
Para Salvador da Rocha, “as mudanças que estão por vir trarão reflexos na Mútua, o braço social do Sistema, por isso a importância da participação do maior número possível de lideranças debater os destinos do Sistema confea/Crea e Mútua.
“Nossa ideia é provocar um movimento de discussão entre as bases e as lideranças afim de que nosso trabalho tenha continuidade”, disse José Tadeu antes de passar a palavra para Albério que desejou boas vindas a todos e solicitou uma sessão plenária federal extra agilizar os procedimentos dos Regionais neste final de ano e início do próximo.

8º CNP – Na sequencia, Gilberto de Campos,  Superintendente de Integração do Sistema apresentou ao colegiado a metodologia a ser aplicada durante a 69ª Soea para debater sobre as leis 5.194 de 1966; 12.514, de 2011 a 12.378, de 2010.
Segundo Gilberto, “daqui até a Soea, as cinco comissões permanentes do Confea : de Articulação Institucional do Sistema (Cais); de Controle e Sustentabilidade (CCSS), de Educação e Atribuição Profissional (Ceap), Ética e Exercício Profissional (Ceep),  e de Organização, Normas e Procedimentos (Conp), trabalharão sobre essa legislação para montar as propostas a serem levadas para a Semana”.
Ele lembra que a Soea não é um fórum deliberativo mas que as decisões resultantes dos debater servirão de base para o 8º Congresso Nacional dos Profissionais (CNP) que acontece a cada três anos e terá sua próxima edição em 2013.
Durante o dia 20 de novembro, durante todo dia e antes mesmo da solenidade de abertura oficial da 69ª Soea, marcada para o fim da tarde, começarão as discussões distribuídas por cinco grupos temáticos que devem reunir cerca de 250 integrantes cada.

Frente – Concordando com o presidente do Confea quanto a necessidade de se contrapor as forças que defendem a desregulamentação, o presidente do Crea-RS, Luiz Capoani, chamou a atenção para a quantidade de Projetos de Lei em tramitação no Congresso Nacional – cerca de 200 – e propôs a articulação da Frente Parlamentar de Engenharia para participar das discussões em torno da legislação e proteger interesses dos profissionais da área tecnológica e o próprio Sistema Confea/Crea.
“Nossas discussões serão amplas, eu sei”, disse Capoani,  para emendar: “não podemos ir divididos ao Congresso Nacional e o apoio da Frente pode ser de grande importância”.
Em função do pouco tempo que antecede a realização da 69ª Semana Oficial da Engenharia e Agronomia, a presidente do Crea da Paraíba, Giucélia de Figueiredo, apresentou como sugestão a ser avaliada pelos demais integrantes do Colégio de Presidentes, uma planilha elaborada com base num trabalho feito pelo regional “a fim de estimular as discussões junto às bases e que os participantes da Semana venham já sabendo do teor do que será discutido e as propostas de mudança”.
Giucélia lembrou uma proposta oriunda do Crea Nordeste – encontro que reuniu os presidentes desses regionais  – no sentido de que uma sessão plenária específica sobre a lei 5.194 seja realizada com a finalidade de otimizar as discussões a serem realizadas em Brasília.
O presidente do Crea-PR, Joel Kruger, informou que naquele estado alguns debates já tiveram início, “mas a discussão é ampla e não há tempo hábil para aprofundar “, admite.
Ele adianta que o Crea-PR é a favor de mudanças apenas em alguns artigos pontuais e contra a reformulação da 5.194”. Kruger também sugeriu que para a Soea sejam levados para debate os posicionamentos dos diversos fóruns do Sistema e a partir daí colocar o tema nas rodas de profissionais para a preparação do 8º CNP, “esse sim deliberativo”.
Ainda pela manhã, os presidentes de Crea começaram a definir as formas e conteúdo do documento que deverá embasar os debates em torno da atualização das leis afetas ao Sistema Confea/Crea.

Por Maria Helena de Carvalho
Gerência de Comunicação Social

CREA-MA FISCALIZA SHOWS EM SÃO LUÍS

Equipes de Fiscalização estiveram presentes em regime de plantão

Ceprama

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão – Crea-MA em sua missão de verificar, orientar e fiscalizar o exercício profissional e defender a sociedade da prática ilegal das atividades abrangidas pelo Sistema Confea/Crea desenvolveu na noite da última sexta-feira (26.10) Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) em shows na capital. Equipes de Agentes de Fiscalização estiveram na praça Nauro Machado e no Ceprama. As Fiscalizações fazem parte do projeto de desenvolvimento de regimes de plantão para fiscalização em eventos nos finais semana sobre obras relacionadas com as modalidades do Sistema Confea/Crea.

Praça Nauro Machado

Segundo o presidente do Crea-MA, Alcino Araújo Nascimento Filho a função principal é a proteção da sociedade: “Queremos um Conselho cada vez mais presente em todos os empreendimentos no estado. Com ações como essas protegemos a sociedade e resguardamos o espaço dos profissionais de nosso Sistema Confea/Crea” – afirmou.
A Fiscalização Preventiva Integrada tem como funções a fiscalização, prevenção e garantia da segurança da população e é um programa criado e coordenado pelo Crea-MA. O principal objetivo da FPI é salvaguardar a população de situações de risco, apesar de ter cunho educativo e preventivo. Apesar das fiscalizações serem educativas e preventivas, o não atendimento às exigências, quanto à correção dos problemas detectados por ocasião das inspeções, pode implicar na emissão de autos de infração, na interdição parcial, ou nos casos mais graves, até na solicitação de interdição total do espaço e equipamentos, através de medidas judiciais, conforme legislação específica de cada órgão.

Por Rachid Sauaia
Crea-MA

28.10: DIA DA ENGENHARIA AERONÁUTICA

Marcada pelo desenvolvimento de projetos de helicópteros, aviões e naves espaciais, a Engenharia Aeronáutica é um ramo de estudo que abrange a certificação de aeronaves, além da manutenção, navegabilidade e pesquisas científicas.
No Brasil, os estudos de Engenharia Aeronáutica ganham destaque na Força Aérea Brasileira, onde são desenvolvidas pesquisas na área de ciência e tecnologia, como explica o diretor de Engenharia da Aeronáutica, major-brigadeiro engenheiro Franscisco Carlos Melo Pantoja: “A atuação desses profissionais se dá nos mais diversos setores, como no gerenciamento do espaço aéreo, no desenvolvimento de ciência e tecnologia aeroespacial e logística, pois para as nossas aeronaves voarem elas precisam de manutenção, de suprimentos”.
O oficial-general destaca ainda a importância da engenharia de infraestrutura para o desenvolvimento da integração da Amazônia. “A Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA), por exemplo, é uma unidade muito importante para o desenvolvimento de projetos de engenharia associada à construção de pistas”, afirma.

Dia da Engenharia Aeronáutica
Segundo o major-brigadeiro Franscisco Carlos Melo Pantoja, o dia 28 de outubro foi escolhido por ser a data de nascimento do patrono da Engenharia da Aeronáutica, marechal do ar Casimiro Montenegro Filho, que foi a pessoa que idealizou do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, interior de São Paulo, e do Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA). “Uma instituição é de ensino e a outra é de desenvolvimento de tecnologia. O impacto disso foi tão grande para o Brasil, principalmente para o setor aeronáutico e de eletrônica que, por isso a Aeronáutica o colocou como patrono”, explica.
Atualmente, estão registrados no Sistema Confea/Crea e Mútua 851 engenheiros aeronáuticos.
Parabéns a todos esses profissionais que contribuem para o desenvolvimento da Engenharia Aeronáutica nacional.

Equipe de Comunicação do Confea, com informações da Agência Força Aérea

OUVIDOR-GERAL DA UNIÃO PARTICIPA DO III SEMINÁRIO DE OUVIDORES

O Ouvidor-Geral da União, José Eduardo Romão, participa da mesa de abertura do III Seminário de Ouvidores, que acontece a partir da próxima segunda-feira (29/10), no plenário do Confea. O evento contará também com a participação da Ouvidoria do Conselho, de ouvidores de alguns Creas e ainda de representantes de outros órgãos do governo federal. A palestra do Ouvidor-Geral da União acontece às 16h30 e tem como tema a Lei de Acesso à Informação.
Na avaliação do diretor e Conselheiro Federal Kleber Santos,  a realização do evento atinge a própria política de comunicação do Sistema Confea/Crea e Mútua. “Ele reúne as unidades mais próximas aos profissionais e aos cidadãos, as ouvidorias”, diz, destacando que a Ouvidoria do Confea, desde agosto último conduzida pela engenheira civil Elisete d’Abadia Silva, constitui-se de forma permanente na estrutura do Conselho, após a aprovação em plenário, em 2010.
A ouvidoria foi instituída em 2007, iniciando suas atividades em 2008. “Ela tem caráter exclusivamente externo, atuando com o Conselho Diretor e diretamente com as unidades, tendo como princípio que apenas uma demanda pode contribuir para alterar algumas orientações do Sistema”, considera a Ouvidora do Confea.

Programação – A abertura do III Seminário de Ouvidores acontece às 14h30, com a participação do presidente do Confea, eng. civil José Tadeu da Silva, do diretor-presidente da Mútua, eng. agr. Cláudio Pereira Calheiros, do conselheiro federal, eng. agr. Kleber Santos, e do Ouvidor-Geral da União, José Eduardo Romão. Em seguida, a psicóloga social Iolanda Bezerra dos Santos promove a palestra “Relacionar-se com o outro nunca se esquecendo de si”. Para a ouvidora do Confea, Elisete Abadia, o tema é importante para a equipe que trabalha na ouvidoria, pois o trabalho exige equilíbrio para lidar com questões técnicas e até mesmo emocionais do grande público abrangido profissionais e sociedade como um todo.
Em seguida, ocorre a palestra do Ouvidor-Geral da União. O tema do Acesso à Lei da Informação, que vem sendo conduzida no Confea pela superintendência de Integração do Sistema, será apresentada pela principal autoridade brasileira sobre o tema. “Estivemos pessoalmente na Ouvidoria, e fomos atendidos prontamente”. Elisete acrescenta que a importância da área é tão crescente, que a Controladoria Geral da União, ao promover seu último concurso, estabeleceu, pela primeira vez, vagas para o cargo.
O segundo e último dia do Seminário trará a participação das demandas dos Creas. “Fizemos uma pesquisa com os Creas, e estes temas estão entre os mais votados”, diz Elisete. Mas a programação será aberta, entre 8h30 e 9h30, por outra palestra proferida por convidado externo ao Sistema: a ouvidora da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Ana Paula Gonçalves, sobre o tema “Desafios da Ouvidoria no atendimento ao cidadão”. Em seguida, às 9h45, a analista legislativo da Câmara dos Deputados, Silvia Regina dos Santos, discorrerá sobre a “Ouvidoria como instrumento estratégico para a gestão”.
Ainda no período da manhã, têm início as palestras dos representantes dos Creas.  Às 10h45, a ouvidoria do Crea-RJ falará sobre o tema “Ouvidoria Cidadã – adequação ao novo perfil institucional do Crea-RJ e apresentação do módulo Ouvidoria do sistema corporativo do Crea-RJ”. À tarde, a programação prossegue com as seguintes palestras: “Divulgação da aplicabilidade da LAI no Crea-PA” (Crea-PA); “Valores da atualização monetária das anuidades em atraso; Creas e responsabilidade social; projeto Hortas nas Escolas Públicas; combate à dengue” (Crea-AL); “Anuidades; Anotação de Responsabilidade Técnica – ART” (Crea-PR); “Limite de atuação da Ouvidoria” (Crea-MS); “Plano de Trabalho Ouvidoria Crea-PB” (Crea-PB); “Marcos regulatórios e a regulamentação das ouvidorias dos Creas. Ouvidoria Interna – viável, informal, deve acontecer?” (Crea-ES) e “Ouvidoria Interna – casos recorrentes; redes sociais; Integração com ouvidorias públicas e privadas” (CREA-RS).

Henrique Nunes
Equipe de Comunicação do Confea

DIA DO ENGENHEIRO AGRÍCOLA – 27.10

Conhecido por dar soluções de engenharia para o meio rural, o engenheiro agrícola é lembrado neste 27 de outubro por sua data comemorativa. Conforme a Resolução nº 256/78 do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), compete a esse profissional o desempenho de atividades de supervisão, estudo, assessoria, vistoria, controle de qualidade, fiscalização de obra, entre outras referentes à aplicação de conhecimentos tecnológicos para a solução de problemas relacionados à produção agrícola, envolvendo energia, transporte, sistemas estruturais e equipamentos, nas áreas de solos e águas, construções para fins rurais, eletrificação, máquinas e implementos agrícolas, processamento e armazenamento de produtos agrícolas e controle da poluição em meio rural.
“Trabalhamos com construção rural, mecanização e desenvolvemos sistemas de suporte à produtividade que contribuem, por exemplo, para o armazenamento adequado de grãos e evitam perdas agrícolas”, explica o coordenador do Comitê de Educação e Ética, que integra o Colégio de Entidades Nacionais (Cden), e presidente da Associação Brasileira dos Engenheiros Agrícolas (Abeag), eng. agríc. Valmor Pietsch.
Para ele, as contribuições do engenheiro agrícola no campo proporcionam ainda mais divisas para o Brasil de modo sustentável, uma vez que planejamento e infraestrutura otimizam a produtividade agrícola do país, sem desconsiderar as questões ambientais. “Produzimos cada vez mais em áreas menores”, destaca.
Valmor lembra ainda que as tecnologias e soluções levadas pelo engenheiro agrícola ao setor rural são pautados por critérios econômicos e sociais, capazes de melhorar a vida da população. “Mantendo a qualidade da produção e garantindo renda, os produtores permanecem no campo e não precisam migrar para os centros urbanos”, pontua Valmor destacando o papel social do engenheiro agrícola para a redução do fluxo migratório.
O Sistema Confea/Crea e Mútua parabeniza os profissionais que comemoram este 27 de outubro.

POR: Equipe de Comunicação do Confea

25.10 – DIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Em 25 de outubro de 2000, há 12 anos, o Papa João Paulo II oficializava o frei Antonio de Sant’Anna Galvão como o patrono da construção civil. Sete anos depois, o frei, que iniciou sua vida profissional como assistente de pedreiro e chegou a mestre de obras, foi canonizado, em São Paulo em 2007, pelo Papa Bento XVI, tornando o São Frei Galvão o primeiro e, até agora, único santo brasileiro.
O Mosteiro da Luz, na cidade de São Paulo, onde o frei está sepultado desde 23 de dezembro de 1822, data de sua morte, foi construído e fundado por ele. Considerado pela Prefeitura de São Paulo a mais importante construção arquitetônica colonial do século XVIII da cidade – a construção foi finalizada em 1774 –, o mosteiro é Patrimônio Cultural da Humanidade, título concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O Museu de Arte Sacra de São Paulo fica localizado no mosteiro. Entre suas realizações, Frei Galvão traçou o desenho da fachada da igreja do Mosteiro da Luz.
Em 2007, o plenário do Confea referendou um ato normativo expedido pelo Crea-SP que declarou o dia 25 de outubro como o Dia dos Profissionais da Construção Civil. O mesmo documento registrou o Frei Galvão como um “ilustre representante das terras bandeirantes numa época em que a tecnologia ainda engatinhava”. Em 25 de outubro de 2008, o Crea-SP entregou ao Memorial Frei Galvão, localizado no Mosteiro da Luz, um diploma com o título Honoris Causa, em reconhecimento ao seu exemplo entre os profissionais da área tecnológica.

EM: 25.10.2012
POR: EQUIPE DE COMUNICAÇÃO DO CONFEA