06 de junho de 2019.

IMG_5477 (1)

    Uma comissão criada pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Maranhão (Crea-MA) para fiscalizar 11 barragens no Maranhão realizou esta semana, fiscalizações nas barragens de Pericumã, em Pinheiro, e na barragem da Empresa Aurizona, que trabalha com a extração de ouro, no município de Godofredo Viana.

    O presidente do Crea-MA, Berilo Macedo, informou que já foram fiscalizadas 10 barragens e que até o final do mês de junho será fiscalizada a Barragem de Flores, no município de Joselândia. “Vamos concluir a fiscalização das 11 barragens existentes no Maranhão. São algumas barragens de resíduos e outras de contenção de água. Nosso objetivo é de fiscalizar se as atividades de manutenção, operação, laudos de avaliação de segurança, relatórios técnicos e outros, estão sendo feitas por profissionais habilitados e não por leigos”, explicou Berilo Macedo.

    Além das barragens de Pericumã e da Aurizona, já foram fiscalizadas as barragens do Bacanga, as Áreas de Resíduos de Bauxita da Alumar e a barragem da Usina Hidrelétrica de Estreito.

    Berilo Macedo, que participou no mês passado da comitiva de deputados estaduais que integram a Comissão de Obras e Serviços Públicos, e a Frente Parlamentar em Defesa das Barragens e Comportas do Estado do Maranhão e que foram até a barragem de Pericumã, disse que a obra está totalmente abandonada. “A situação é grave e requer uma ação imediata por parte das autoridades responsáveis. As funções da barragem não estão em operação por conta dos equipamentos estarem danificados. É urgente que o DNOCS, gestor da obra, providencie a recuperação da barragem e, posteriormente, faça um contrato de manutenção. Se nada for feito, há riscos de danos às comunidades”, ressaltou.

BARRAGEM PERICUMA

    Participaram da fiscalização nas barragens da Empresa Aurizona e de Pericumã, o coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil, Geologia e Minas do Crea-MA, Antônio Carlos Amaral Ribeiro, o geólogo Thiago Moreira, o assessor técnico Luís Plécio – membros da Comissão do Crea criada para fiscalizar as barragens, e o fiscal José Kzan.

    O vice presidente de Operações da Mineração Aurizona, Cesar Toressini, informou que a  Mineração Aurizona mantém um programa de visitas guiadas, chamado Boas Vindas, e é sempre um prazer receber profissionais interessados em conhecer melhor a mineração do Estado do Maranhão. “No caso do Crea-MA, é um prazer ainda maior pela possibilidade de apresentar o rigor dos procedimentos de segurança adotados na empresa em gestão de barragens. Apesar de um reservatório de pequeno porte, construído com o método de linha de centro e sem riscos a nenhuma população, entendemos o interesse nacional pelo tema e é de grande interesse da empresa ajudar no esclarecimento dos diversos aspectos técnicos”, afirmou César Toressini.

    A Mineração Aurizona (MASA) retomou em 2017 o projeto para expandir a vida útil da Mina do Piaba, com perspectiva de seis anos de operação. Após um intenso período de obras, as equipes de Mina e a Planta iniciaram o processo gradual de retomada de produção, a partir de fevereiro de 2019, por meio do teste das estruturas e equipamentos, processo que é conhecido como comissionamento.

     O comissionamento dá sequência também ao grande esforço realizado pela equipe de mina, liderada pelo Gerente de Mina Gustavo Lopes, que estocou, ainda em 2018, durante o período de verão amazônico, 750 mil toneladas de minério. Segundo Gustavo Lopes, no mês de abril a U&M retomou a todo vapor os trabalhos na fase pré-produção, para alimentar a planta com 150 mil toneladas de minério, visando atingir a capacidade plena no mês de maio. “Para esse trabalho estamos com as equipes de mina e geologia completas na organização para atingirmos a capacidade plena. O abastecimento foi iniciado com caminhões pequenos de 37 toneladas e temos caminhões com capacidade de 95 toneladas para atingirmos o objetivo da mina na fase 1”, destacou Gustavo Lopes.

    A planta metalúrgica segue em fase de comissionamento, com testes realizados pela empresa Ausenco e com o funcionamento de alguns equipamentos com testes de cargas. Gerson Barbosa, Coordenador de Produção, explica que os equipamentos passam por quatro fases de comissionamentos e tudo está sendo realizado dentro dos critérios de segurança para que a planta funcione na segunda quinzena de abril, conforme planejamento.